terça-feira, 30 de abril de 2013

Bioshock Infinite PC - A doçura de Elizabeth (Crítica)



Todos concordam que um dos maiores lançamentos de 2013 é Bioshock Infinite, terceiro jogo da série Bioshock. Porém, quem se aventura no jogo descobre que ele não é uma simples sequência e que, no fim, se prova muito superior aos seus predecessores (que já eram excelentes).

Bioshock, quando lançado em 2007, se tornou um dos jogos icônicos no quesito jogos artísticos. Até hoje, é o melhor exemplo de um jogo que pode fazer a categoria "jogos de video-game" ser culturalmente aceita como uma importante forma de entretenimento, expressão artística e pensamento. Bioshock mostrou que jogabilidade e história não são duas entidades separadas, mas interligadas. Apesar de Bioshock 2 ter apresentado uma queda de qualidade na narrativa, teve um avanço na jogabilidade e nos gráficos de acordo com os críticos, mantendo o status da franquia.

Quando fiz o download de Bioshock Infinite, estava com altíssimas expectativas, pois toda a crítica havia elogiado muito o jogo. E devo confessar que todas as minhas expectativas foram superadas. Bioshock Infinite é com certeza meu jogo favorito de 2013 e meu top 3 de todos os tempos. Os gráficos são incríveis e a jogabilidade muito boa. Mas as melhores características do jogo são a narrativa e os personagens, especialmente Elizabeth.

Elizabeth é uma adorável menina de vinte anos, que foi presa em Columbia (uma cidade flutuante) desde bebê. Booker DeWitt, o personagem com quem você joga em primeira pessoa, é enviado para resgatá-la e trazê-la de volta para Nova York. Ela é guardada por Songbird, um gigantesco robô alado que é tanto um guarda quanto o único amigo de infância de Elizabeth.

No fim do jogo, cheguei a conclusão de que Elizabeth é a melhor personagem feminina de jogos de todos os tempos. Ela é doce e adorável em tantos aspectos, e ao mesmo tempo, muito bem construída, com seus aspectos sombrios também, o que faz com que ela seja totalmente verossímil.

E se ela desaparece de vista por alguns momentos, você sente falta dela. Você sente falta do jeito que ela joga itens para você enquanto está lutando ou explorando, e das conversas enquanto corre de um lugar para o outro, de como ela te olha apreensiva, de como ela te indica onde há lockpicks e como ela faz piadinhas quando pede para ela abrir alguma fechadura. Ela nunca se sente como um peso morto ou como uma donzela em perigo, e você nunca sente como se estivesse protegendo-a. Você não se apaixona por ela também. Ela não é sexy ou sedutora (como a maioria das personagens femininas de jogo são). Você só gosta dela. O jogo te faz criar um vínculo de amizade com Elizabeth.

Bioshock Infinite possui cenas que tiraram o meu fôlego de tão emocionantes, dramáticas ou realistas em termos de ação. A trilha sonora é um detalhe a parte. As músicas, originais ou regravadas, são um toque sutil na ambientação do jogo. E em vários momentos eu parava apenas para ficar ouvindo, de tão encantadoras que são. Além disso, o final é fenomenal! Faz anos que não vejo nenhum filme que chegue perto do desfecho que Bioshock Infinite conseguiu dar para a história.

Diversos outros personagens interessantes aparecem no decorrer da história. Outro destaque vai para os irmãos Lutece, cuja significância para a história você só irá entender do meio para o fim do jogo.

Sou bastante entusiasta por jogos artísticos, e tenho certeza que Bioshock Infinite elevou a categoria a outro nível. Sim. O jogo é bom assim.

Com certeza este é mais um divisor de águas para a indústria dos jogos. E é difícil imaginar que qualquer outro jogo vai superar isso. Todas essas declarações são ousadas, eu sei, mas é isso que sinto. É o tipo de jogo que queremos reviver, e vai ser falado e analisado por anos e anos.

Então chegou a hora de você ajudar Booker a chegar ao fim da história, a resgatar Elizabeth e ajudá-la a desvendar os mistérios de seu passado. E não deixe de assistir a cena secreta após os créditos. Completará a experiência que , tenho certeza, você nunca irá esquecer.

Assista ao trailer do jogo abaixo:




sexta-feira, 26 de abril de 2013

8 coisas positivas que você deve dizer hoje!

Nossos dias seriam muito melhores se todos se esforçassem mais para ser gentis e otimistas. Apesar de não podermos controlar as ações de outros, as suas atitudes e as palavras que você escolhe para usar moldam o seu dia, a sua história.

Como você tem escrito sua história até agora? Você usa suas palavras de maneira positiva? Se você escutasse suas falas e suas conversas com os outros, você iria ouvir declarações que geram felicidade, ou declarações que sugam a felicidade do ambiente?

Sua expressão verbal interna também pode fazer a sua alegria (e a de outros) possível. Então nosso desafio de cada dia é dizer...

1. "Eu tenho uma escolha."

Não são seus talentos ou habilidades, mas suas escolhas que no fim das contas decidem o seu destino. Você é as suas escolhas. 
Você precisa olhar para si mesmo no espelho e dizer honestamente: "Eu tenho uma escolha. Eu estou aqui agora por causa das escolhas que fiz no passado" para que então você possa dizer: "Eu ainda posso fazer uma escolha diferente para meu futuro."

2. "Vamos começar!"

Você não pode construir nada maravilhoso apenas com ideias. Se você quer algo, você tem que fazer barulho, declará-lo e em seguida, começar.
A meta é muito mais do que um exercício mental. Na verdade, sem a intenção de ação um objetivo nada mais é do que uma mentira para si próprio. É preciso tomar as suas decisões e dar a elas o tempo e a atenção que merecem. No final, não importa o que você está pensando, importa o que você está fazendo. É hora de começar tudo o que você quer realizar.

3. "Eu tenho o que é preciso."

Um dos piores inimigos do nosso dia dia é a sua autodúvida. No momento em que você duvida que você possa fazer algo é o momento em que isso se torna realmente impossível para você. É clichê dizer isso, mas v
ocê precisa acreditar em si mesmo. Você tem que confiar em si mesmo. Você pode estar nervoso, mas não deixe nunca que qualquer fonte de negatividade no mundo o convença de que você não tem o que é preciso.
Procure encorajar-se, buscar fatos e evidências de sua grandeza. Lembre-se de suas vitórias passadas. Fale em voz alta - "Eu ARRASEI nessa prova", "Eu ganhei esse aumento por meus próprios méritos", "Eu corri 5K sem parar", "Meus amigos adoraram o texto que escrevi", "Meu desenho foi super elogiado!". E assim por diante... Dê uma voz positiva às suas vitórias passadas e você vai encontrar a força para repetir essa história.

4. "Olá, como posso ajudá-lo?"

Na vida, você recebe o que você doa. O Profeta Gentileza bem dizia: "Gentileza gera gentileza". E essa é uma das maiores verdades do universo. 
De modo geral, as pessoas mais infelizes que você vai encontrar serão aqueles que são totalmente egoístas, as pessoas mais felizes que você vai encontrar serão aqueles que se perdem na alegria e no desafio de ajudar os outros, de ser gentil.

A felicidade é sempre alcançada por doá-la, sem expectativas. Aqueles que ajudam os outros, eventualmente, são ajudados. Você tem duas mãos, uma para ajudar a si mesmo e outra para ajudar as pessoas ao seu redor. Se você pode deitar-se à noite, sabendo em seu coração que você fez o dia de alguém um pouco mais feliz, você tem um motivo para sorrir.
 
5. "Olhe de onde eu vim e onde consegui chegar".

A melhor maneira de se mover uma montanha é movendo uma pedra de cada vez. Cada pedra que você mover, não importa quão pequena, é um progresso.

Às vezes pode ser difícil ver o seu progresso. Às vezes ele vai ser frustrante quando os resultados não aparecerem tão rapidamente quanto você esperava. Ainda assim, você está avançando. Você pode estar movendo lentamente, mas você ainda está movendo uma montanha.


Uma façanha, na maioria das vezes, é um processo permanente, e não um único evento. Para alcançar qualquer objetivo que valha a pena, você precisa aprender o que funciona por tentativa e erro. Você deve explorar possibilidades, muitas das quais só vai mostrar o que não funciona. Basta ter em mente que os erros e contratempos são uma parte vital do processo.
Valorize seus esforços, aplauda-se por fazer o que precisa ser feito. E tome cuidado para não gastar tanto tempo olhando para o quão longe você ainda tem que ir, para que você não se esqueça de apreciar o quão longe você já chegou.

6. "Eu tenho mais do que suficiente para ser feliz."

As pessoas mais felizes não são as mais sortudas, e elas geralmente não têm o melhor de tudo também. Elas simplesmente aproveitam ao máximo tudo o que têm. A razão pela qual tantas pessoas estão descontentes é porque elas tendem a olhar para o que está faltando em sua vida, ao invés de perceber o que está presente.

Pare de desejar apenas ter mais. Pare de desejar estar em outro lugar. Pare de desejar outra pessoa. Aprecie o seu corpo e use-o para seu pleno potencial. Aprecie as coisas que você tem e que tantos outros sonham ter. Diga em voz alta, se for preciso: "Eu tenho a sorte de estar vivo! Estou feliz por ser eu mesmo! Eu tenho muito mais do que eu preciso e tanto para agradecer! Minha vida não é perfeita, mas ainda assim é muito boa!

7. "..."

E, enfim, essas reticências representam o silêncio. O s
ilêncio é calmante. O silêncio é paz . Quanto mais silencioso você ficar, mais você poderá ouvir os seus próprios pensamentos. Alguma vez você já ouviu o silêncio do pôr do sol ao longo do horizonte em uma montanha? Ou o silêncio de uma estrada do interior à meia-noite? Ou a calma tranquila depois de um temporal? Ou, talvez, o silêncio no fundo de uma biblioteca, ou o silêncio de um auditório cheio quando as luzes se apagam para um espetáculo teatral, ou, melhor de tudo, o momento em que a porta se fecha e, de repente, você tem a casa toda para si?
Cada momento de silêncio é diferente, mas todos são bonitos, se você ouvir com atenção. Deixe espaço suficiente no seu dia para apreciar o espaço entre as comoções. Não diga nada, pense calmamente, apenas exista, e respire.

8. "Eu te amo!"

Uma frase simples, e que ainda carrega tanto estigma e é tão injustamente evitada. Quanto mais você estende o amor - mesmo por aqueles que você sente que te machucam de alguma forma - quanto mais perto você chegar a ser o próprio amor, mais você alcançará a paz e a felicidade.

Ame e diga que ama. Diga: "Você aquece meu coração e me faz sorrir", "eu me importo tanto com você!". Tire o foco de si próprio nesses momentos pense no que é que faz um outro especial para você. Diga palavras que expressem seus sentimentos reais mesmo que tenha muito medo de admitir isso. Aproxime-se das pessoas sem medo e comece a corrente do bem.

E você? O que acrescentaria à lista?

Escrito inspirado no livro "1,000 Little Things Happy, Successful People Do Differently".

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Filmes: Oblivion (2013) x Moon (2009)




Sem querer dar spoilers, o filme lançado recentemente com Tom Cruise e Morgan Freeman, Oblivion, é uma versão 'pioradinha' do brilhante filme lançado em 2009, Moon. Como este último teve pouca repercussão, acabou se tornando um clássico 'indie', mas para quem assistiu ambos impossível não notar todas as semelhanças não só na ambientação, mas também na plot de Oblivion.

Oblivion narra as aventuras de Jack Harper (Cruise), que é um dos últimos habitantes restantes na Terra. Ele e sua companheira são funcionários de uma instituição extrai recursos vitais ainda presentes na Terra, depois de décadas de guerra com uma ameaça terrível conhecida como 'Scavs'. Após anos vivendo isolado em seu núcleo, com a missão quase completa e sempre vigiando os céus a metros de distância, a vida de Jack muda radicalmente após resgatar uma moça (Kurylenko) de uma nave espacial que caiu. A chegada dessa mulher o fará questionar tudo e perceber que as coisas podem não ser como parecem.

Moon mostra Sam Bell  (Rockwell) no fim do seu contrato de trabalho com a Lunar, companhia responsável por minerar Helium 3 da Lua. O precioso gás lunar é a chave para reverter toda a crise de energia da Terra. Isolado, determinado e firme, Sam seguiu as regras obedientemente e sua temporada na lua tem sido leve, mas sem grandes acontecimentos. A solidão lhe deu tempo para refletir sobre os erros do passado e trabalhar nos seus descontroles temperamentais. Seu trabalho é feito de maneira mecânica, o que lhe dá tempo de sobra para ficar sonhando com seu retorno à Terra, para ficar com sua esposa e filha, assim que se aposentar. O problema é que a Lunar não vê o futuro de Bell acontecendo dessa forma.

Uma trama com semelhanças, que se tornam óbvias após assistir ao desfecho dos dois filmes. Não entrarei em detalhes para não estragar a surpresa para ninguém, mas o desenrolar das histórias têm não só elementos em comum, mas também a mesma estrutura.

Porém, enquanto Moon é um trabalho convincente de ficção-científica, impulsionado pela intensa atuação de Sam Rockwell e pela direção brilhante do iniciante Duncan Jones, Oblivion, é muito mal roteirizado, e acaba sendo chato e clichê, apesar dos visuais impressionantes e do excelente desempenho de Tom Cruise.

Para quem não viu o primeiro, Oblivion terá algumas reviravoltas interessantes, e no fim pode agradar em certo aspectos (pois, apesar dos efeitos visuais e da trilha serem muito boas, as interpretações são muito fracas, incluindo o Morgan Freeman que foi desperdiçado na história). Mas recomendo fortemente que não deixe de assistir Moon e tirar suas próprias conclusões.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

8 melhores Seriados de TV britânicos dos últimos anos (Parte 1)


Há tempos tenho me apegado com mais frequência à séries britânicas do que à séries americanas. Por terem "temporadas" mais curtas (entre 5 e 8 episódios em sua maioria) acabam sendo mais objetivas e tendo um roteiro muito mais bem escrito. Além disso, as séries britânicas têm se mostrado mais criativas dentro do seu gênero (humor, drama ou ficção científica).
Abaixo seguem algumas que, na minha opinião, foram as melhores séries britânicas que assisti nos últimos tempos.

Edição: Estas são as oito primeiras do total das 15 melhores séries britânicas dos últimos anos que selecionei. Link para a parte 2 com mais sete séries no final deste post.


1. Ashes To Ashes (suspense/ficção-científica)
Série policial com toques de ficção-científica.  Uma das minhas séries favoritas de todos os tempos. Um spin-off da série também britânica "Life on Mars", mas que superou muito sua predecessora. Com 3 temporadas de 8 episódios, a série foi toda ambientada nos anos 80 (contando inclusive com trilha sonora original de hits da época) e conta com elenco brilhante que dá vida a personagens muito bem construídos. Destaque para os protagonistas Gene Hunt (Philip Glenister) e Alex Drake (Keeley Hawes).

O suspense de Alex Drake, uma policial dos dias atuais que foi baleada ao tentar salvar sua filha de um sequestro e acordou misteriosamente em uma delegacia nos anos 80, vai te fazer querer assistir toda a série de uma vez para desvendar seus mistérios.


2. Miranda (comédia)
Comédia da brilhante comediante Miranda Hart. Atualmente na sua terceira temporada (com a 4º confirmada para o fim de 2013), todas com 5 episódios, a série explora as esquisitices da personagem britânica que é chamada de "Sir" com certa frequência. Com personagens exagerados de propósito, a série consegue ser hilária de maneira leve e inteligente.


3. Misfits (drama/ação)
Diversas histórias já exploraram a temática de mutantes e super-heróis, mas nenhuma explorou de maneira tão realista quanto Misfits. Imagine se realmente houvesse pessoas com super-poderes, mas que muitas vezes esses poderes fossem inúteis? E se eles só ferrassem com a vida das pessoas, e ninguém pudesse ser um "herói" como nas histórias em quadrinhos? Dessa premissa surgem histórias interessantíssimas envolvendo de maneira surpreendentemente dramática personagens cativantes e muito bem construídos. Com elenco novato e muito elogiado, a série está em sua 4° temporada, todas com 8 episódios.


4. Utopia (drama/ficção-científica)

Um suspense de ficção-científica muito bem estruturado, que revela um pouco mais de sua história a cada episódio. A série segue um grupo de pessoas que se conheceram online e estão de posse do manuscrito de uma graphic novel cult, que prevê um dos piores desastres da humanidade. O grupo se vê perseguido por governo e organizações secretas envolvidas no plano. Com sua primeira temporada de 6 episódios exibida esse ano, a série se mostrou extremamente envolvente, com elenco brilhante. Destaque para Neil Maskell, que protagonizou as cenas mais intensas.


5. Doctor Who (comédia/ficção-científica)



Um remake muito bem sucedido da série homônima dos anos 60, que narra a história de um alien viajante do futuro. A série que é referência geek, contêm elementos de ação, suspense e humor sagaz. O roteiro muito bem escrito e os personagens muito bem construídos são o segredo do sucesso da série, que está atualmente em sua 7º temporada.


6. QI (Quite Interesting) (comédia)



Um programa de quiz onde ter uma resposta interessante é mais importante que ter a resposta certa. O melhor do programa é nunca se levar a sério. Comandado pelo comediante Stephen Fry com o sidekick Alan Davies, o programa sempre tem convidados inteligentes e bem-humorados que fazem improvisações sempre hilárias. O programa segue a 10 anos no ar.

7. Poirot (suspense)




No ar desde 1989, atualmente em sua 13º temporada, a série traduz para a TV as histórias escritas pela Dama do Crime, Agatha Christie, protagonizadas pelo famoso detetive Hercule Poirot. A série é muito bem sucedida em recriar o clima dos anos 30 e 40, e faz uma adaptação perfeita das histórias sempre muito bem estruturadas. Destaque para David Suchet, que dá vida de maneira brilhante ao detetive baixinho e cheio de manias, e para Philip Jackson, que faz o assistente Japp de maneira bastante convincente.

8. Downton Abbey (drama)



Um drama no estilo 'novelão da Globo'. Mas os atores são muito bons e dão vida a personagens muito bem construídos. Apesar da narrativa inicialmente simplória, a história ganha complexidade a partir das grandes interpretações. Ambientada no período pré-Primeira Guerra Mundial, a série foca na briga pela herança da família Crawley, e os dramas familiares e jogos políticos entre seus empregados. Vencedora de diversos prêmio nos últimos anos, atualmente na 4° temporada, vale a pena dar atenção à série.

Veja a continuação dessa lista com mais 7 grandes séries britânicas.

Alguma outra sugestão? 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...